AS OPORTUNIDADES NA ISO 9001-2015

Tenho lido alguns textos de “especialistas” em ISO 9000, afirmando que “outros especialistas em ISO 9000” falam apenas em “riscos” e estão esquecendo das “oportunidades”. Tais “especialistas”, os primeiros, tendem a tratar desses temas como se fossem coisas totalmente diferentes e independentes, algo assim como você é corintiano e eu gosto de rock! Dizem esses “especialistas” que todos os demais estão falando apenas do Corinthians e se esquecendo do Rock. Estariam certos se o tema da discussão fosse falar em Corinthians e rock, dado que são assuntos totalmente independentes; no caso em questão, riscos e oportunidades não são: O objetivo da análise de riscos, dentre outros é justamente encontrar oportunidades de melhoria: Ao abordar o risco de forma sistemática, passamos a ter uma boa noção do quanto podemos falha e, principalmente das consequências de nossas falhas. Vai dai, que somos obrigados a tomar decisões do tipo assumir o risco, ou seja, estou consciente dos danos que a situação pode causar mas não vou fazer nada, monitorar o risco, algo do tipo, vou acompanhar mais de perto para ter uma visão mais clara da situação, vou transferir o risco ou, por último vou mudar a forma de agir no sentido de minimizar ou mesmo eliminar o risco. Vamos tomar um exemplo simples: Suponha que você tenha dois carros e que no seu prédio exista apenas uma vaga de garagem e que, portanto, em um primeiro momento, sua decisão seja deixar o segundo carro na rua. Alguns dias depois, o porteiro o alerta que houve um roubo de carro na madrugada: Sua análise de risco deve ser algo do tipo:

  1. Vou assumir o risco: vou continuar deixando meu segundo carro na rua e seja o que Deus quiser;
  2. Vou monitorar o risco: Todo dia pergunto ao porteiro se houve mais algum roubo, vou pesquisar no Google como está o nível de roubo de carros, principalmente do modelo que possuo, para tomar uma decisão posterior;
  3. Vou transferir o risco, ou seja, vou contratar o seguro e se meu carro for roubado, o prejuízo é da seguradora, e, por fim;
  4. Vou mudar o “processo” deixar de estacionar na rua, alugando uma nova garagem, ou ainda instalando alarmes, colocando travas e rastreadores ou qualquer outra ação diferente da maneira que estou executando o processo no momento; esta mudança, por si, é uma oportunidade de melhoria.

Imaginemos agora a situação contrária; tenho dois carros que guardo na garagem do prédio, mas como sou proprietário de apenas uma, alugo a segunda. Em época de crise, visualizo, como OPORTUNIDADE DE MELHORIA, para minhas finanças, deixar o segundo carro na rua. Antes porem, de tomar tal decisão, se sou um “especialista” em ISO 9000, devo realizar uma análise de risco, ou seja, perguntar ao porteiro se está tendo roubo na rua, verificar se meu carro é daqueles preferidos pelos ladrões, avaliar a viabilidade de fazer um seguro, botar travas, alarmes e bla-bla-bla… Note que estamos falando da mesma coisa, apenas em sentido contrário. Concluindo, toda análise de risco pode gerar alguma oportunidade de melhoria e toda oportunidade de melhoria pode, eventualmente, elevar o nível de risco: A questão é procurar o ponto de equilíbrio que gere a melhor relação Custo/Benefício

Compartilhe com sua rede ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta